Arquivo de 01/03/10 - 01/04/10

★ Novos HDs podem ficar lentos com Windows XP



Até janeiro de 2011, todos os fabricantes de discos magnéticos vão adotar um novo padrão, que não é nativamente suportado pelo Windows XP.

O velho Windows XP já não vai rodar o Internet Explorer 9. E, se o usuário desse sistema operacional tentar fazer um upgrade de disco, poderá ter problemas. O novo padrão que está sendo adotado pelos fabricantes divide o disco em setores de 4 quilobytes (KB). Nos discos atuais, cada setor tem 512 bytes. A mudança deve melhorar a segurança, o desempenho e o aproveitamento do espaço no disco. Sistemas operacionais como Windows 7 e Vista, Mac OS X e Linux, em suas versões mais recentes, já estão preparados para o novo padrão dos HDs. Mas não é o caso do vetusto Windows XP, que não vai suportar nativamente os novos modelos de disco. Muitos desses dispositivos terão um modo de compatibilidade para uso com o XP. Em alguns casos, um driver instalado no micro vai prover compatibilidade. Mas isso pode reduzir em cerca de 10% a velocidade de gravação dos dados.

A divisão dos HDs em setores de 512 bytes vem do tempo do MS-DOS. Esse padrão já era usado nos antigos disquetes flexíveis da IBM. Funcionava bem quando os HDs tinham até alguns gigabytes de capacidade. Hoje, com as unidades mais avançadas chegando à faixa dos terabytes, 512 bytes é um tamanho pequeno demais para um bom desempenho. O fato é que cada setor de 512 bytes tem um marcador que indica onde ele começa e uma área onde são armazenados códigos de correção de erros. Além disso, um pequeno espaço precisa ser deixado entre dois setores contíguos. O resultado é que uma parte significativa da capacidade de armazenamento é desperdiçada.

Mudando o tamanho dos setores para 4 KB, o espaço perdido se reduz para um oitavo do que se perde num disco com setores de 512 bytes. Deve haver um ganho de capacidade entre 7% e 11%, dependendo do disco. Além disso, o novo formato prevê mais espaço para os códigos de correção de erros. Isso deve melhorar a segurança contra perda de dados.

Um dos primeiros fabricantes a adotar o novo padrão foi a Western Digital. Alguns produtos dessa empresa, das séries Caviar Green, para PCs de mesa, e Scorpio Blue, para notebooks, já possuem setores de 4 KB. Para usá-los com Windows XP, há duas opções. Se o disco for formatado com uma única partição e tiver o sistema operacional instalado do zero, o usuário pode acionar um modo de compatibilidade configurando os jumpers existentes na unidade. Em outras situações, o usuário de XP deverá rodar um utilitário para alinhamento de setores.

★ História de Hachiko

Todo ano em 8 de abril ocorre uma cerimônia solene na estação de trem de Shibuya, em Tóquio. São centenas de amantes de cães que se reúnem em homenagem à lealdade e devoção de Hachiko, fiel companheiro do Dr. Eisaburo Ueno(foto), um professor da Universidade de Tóquio.
Mas, quem foi Hachiko? Que houve de tão extraordinário em sua vida para granjear a admiração e o respeito de tantos que assistem a tal reunião de caráter solene? O artigo intitulado
"Velho e fiel cão espera pelo retorno do dono por dez anos", publicado na edição do Asahi Shinbun de 4 de outubro de 1933, lança luz sobre estas questões. O texto impresso fez um registro histórico de uma das mais bonitas, se não, a mais bela e ímpar história de lealdade, fidelidade e incondicional amor de um cão para com seu dono. De tão incrível era a história contada nas entrelinhas do artigo que a atenção de todo o povo japonês se voltaria para ela; nada menos que o mundo acabaria se rendendo a tal registro épico! Diga-se, de passagem, que a comovente história do Chu-ken Hachiko (o cachorro fiel Hachiko) rendeu um livro e um filme chamado "A História de Hachiko", mas, sobretudo, colaborou sobremaneira para que a reputação da raça se tornasse conhecida e famosa em todo o mundo, além de impulsionar um apaixonado movimento de restauração e preservação da raça Akita em seu país de origem, o Japão.

O nome do protagonista e aspirante ao estrelato da história contada pelo Asahi Shinbun, e que ficou conhecido em todo o mundo, era Hachiko, um cão branco da raça Akita; o coadjuvante, seu próprio dono, o Dr. Eisaburo Ueno. Pode-se dizer que a história toda teve seu início muito antes daquele 4 de outubro de 1933, data em que o artigo veio a público.
O "Era uma vez..." desta história teve seu ponto de partida em
novembro de 1923, portanto, exatos dez anos antes. Naquele mês e ano nasceu Hachiko, na cidade de Odate, província de Akita. Em 1924, Hachiko foi enviado a casa de seu futuro proprietário, o Dr. Eisaburo Ueno, um professor do Departamento Agrícola da Universidade de Tóquio. A história dá conta de que o professor ansiava por ter um Akita há anos, e que tão logo recebeu seu almejado cãozinho, deu-lhe o de Hachi, ao que depois passou a chamá-lo carinhosamente pelo diminutivo, Hachiko. Foi uma espécie de 'amor à primeira vista', pois, desde então, se tornariam amigos inseparáveis!

O professor Ueno morava em Shibuya, subúrbio de Tóquio, perto da estação de trem que levava (
e que leva até os dias de hoje) o mesmo nome. Como fazia do trem seu meio de transporte diário até o local de trabalho, já era parte integrante da rotina de Hachiko acompanhar seu dono todas as manhãs. Caminhavam juntos o inteiro percurso que ia de casa à estação de Shibuya. Mas, ainda mais incrível era o fato de que Hachiko parecia ter um relógio interno, e sempre às 15 horas retornava à estação para encontrar o professor, que desembarcava do trem da tarde, para acompanhá-lo no percurso de volta a casa. Entretanto, algo de trágico estava para acontecer no dia 21 de maio de 1925 — mal se sabia, mas, reescrevia-se ali um novo desfecho para a história. Hachiko, que na época tinha pouco menos de dois anos de idade, à hora certa, lá estava na estação como de costume, pacientemente (e de rapinho abanando!) à espera de seu dono. Só que o professor Ueno não retornaria naquela tarde de 21 de maio; sofrera um derrame fatal na Universidade que o levara a óbito. Destarte, ainda que alheio da realidade, naquele dia o leal e fiel Akita esperou por seu dono até à madrugada. Após a morte do professor Eisaburo Ueno, conta a história que seus parentes e amigos passaram a tomar conta de Hachiko. Mas, tão forte e inexpugnável era o vínculo de afeto para com seu amado dono — lealdade, fidelidade e incondicional amor levados ao extremo —, que no dia seguinte à morte do professor ele retornou à estação para esperá-lo. Retornou todos os dias, manhã e tarde à mesma hora, na incansável esperança de reencontrá-lo, vê-lo despontar da estação de Shibuya. Às vezes, não retornava à casa por dias! Foi assim dez anos seguidos repetindo a mesma rotina (quiçá, já não tão feliz), razão pela qual já era uma presença familiar e pitoresca para o povo que afluía à estação. E ainda que com o transcorrer dos anos já estivesse visivelmente debilitado em conseqüência de artrite, Hachiko não se indispunha a ir diária e religiosamente à estação. Nada nem ninguém o desencorajava de fazer sua peregrinação! A história tem seu triste clímax em 8 de março de 1935, quando aos 11 anos e 4 meses, Hachiko é encontrado morto no mesmo lugar na estação onde por anos a fio esperou pacientemente por seu dono, onde durante dez anos se tinha mantido em vigília.

Hachiko, como não poderia deixar de ser, tornou-se um marco, um referencial de amizade talvez jamais igualável em qualquer era anterior ou futura na história. Sua descomunal lealdade e fidelidade receberam o reconhecimento de todo o Japão. Em 21 de abril de 1934, praticamente um ano antes de sua morte, uma pequena estátua de Hachiko, feita de bronze pelo famoso artista japonês Ando Teru, foi desvelada em sua honra numa cerimônia perto à entrada da estação de Shibuya, local onde morreu. Era a memória de Hachiko sendo imortalizada. Durante a 2ª Guerra Mundial, para aplicar no desenvolvimento de material bélico, todas as estátuas foram confiscadas e derretidas, e, infelizmente, entre elas estava a de Hachiko. Após a guerra Hachiko foi duramente esquecido; todavia, como toda história que se preze precisa ter um final feliz, em 1948 a The Society For Recreating The Hachiko Statue — entidade organizada em prol da recriação da estátua de Hachiko — convidou Ando Tekeshi, o filho de Ando Teru (escultor da estátua original), para esculpir uma nova estátua. Até os dias de hoje a réplica encontra-se colocada no mesmo lugar da estátua original, em símbolo de um tributo à lealdade, confiança e inteligência de uma raça, a Akita. Todos que passam pela estação de Shibuya, em Tóquio, podem ver e comover-se com a imponente estátua de Hachiko, erguida em sua memória, eternizando a história de paixão e lealdade incomparável desse cão por seu dono. A efígie, esculpida em bronze e que repousa sobre um pedestal de granito, ergue-se como uma silenciosa prova do lugar ocupado pelos Akitas na história cultural e social do Japão. A estação de Odate, em 1964, recebeu a estátua de um grupo de Akitas; anos mais tarde, em 1988, também uma réplica da estátua de Hachiko foi colocada próxima a estação.

A história de Hachiko atravessa anos, passa de pai para filho, sendo até mesmo ensinada nas escolas japonesas - no início do século para estimular lealdade ao governo, e, na atualidade, para exemplificar e instilar o respeito e a lealdade aos anciãos. Apesar de Hachiko ter sido um cão, deixou uma grande lição de vida 'animal' para todo bom amigo.
Na atualidade, viajantes que passam pela estação de Shibuya (provavelmente o ponto de encontro mais popular em Shibuya) podem comprar presentes e recordações do seu cão favorito na Loja "Shibuya No Shippo" (ou "Tail of Shibuya"), localizada no Memorial de Hachiko. Hachiko foi empalhado (para conservar-lhe as formas) e submetido à substâncias que o isentam de decomposição, e o resultado deste maravilhoso processo de conservação está agora em exibição no Museu de Artes de Tóquio. Quase setenta anos decorreram desde a morte do Chu-ken Hachiko, mas ele nunca será esquecido! A história por detrás da estátua de bronze perpetua-se no tempo, e continua esquentando os corações da população local e de turistas do mundo inteiro.

(foto real de Hachiko).

Atualmente um filme foi lançado contando a história de Hackiko, o seu nome é Hachiko: A Dog´s Story (Sempre Ao Seu Lado). conta com um super elenco, Richard Gere (no papel de
Dr. Eisaburo Ueno). Filme muito bom, vale a pena ver!

★ O que é HDR? porque usar essa técnica?

Na teoria

HDR significa High Dynamic Range. Isso também não diz nada né? Pois bem, vou tentar explicar de uma forma não tão chata:

As fotos “comuns” que tiramos em JPEG são tiradas com profundidade de cor de 8-bit por canal. Isso quer dizer que são processadas cores de 0 a 255, do preto ao branco, em cada canal (normalmente os canais RGB, ou Adobe RGB ou sRGB, ou seja, normalmente são três canais). Arquivos com profundidade de cor de 16-bit possuem mais fidelidade de cores (inclusive do preto e do branco) pois contém mais informações de cor em cada canal. O “intervalo” entre as imagens de 8-bit e 16-bit é chamado de Dynamic Range – muitos mais detalhes e fidelidade de cores são encontrados nas imagens de 16-bit, simplesmente porque existe mais informações sobre a luminosidade de cada pixel quando temos um intervalo maior de valores de luminosidade em cada canal.



Desculpe, eu tentei explicar de uma forma não tão chata… mas a teoria é sempre assim, né? kkk...

É assim que criamos as tais das fotografias HDR – juntamos fotos com uma profundidade de cor de 8-bit com diversas exposições para criar imagens de 16-bit e assim chegamos a um resultado de uma imagem com muita, mas muita, informação de cor. E isso é bom. E isso nos dá controle. E isso nos faz poder criar fotos maravilhosas.

Em um monitor comum nem conseguimos ver tamanha profundidade de cores, e na realidade o arquivo HDR não pode ser salvo e visto normalmente. Por isso depois de criar o arquivo em HDR nós transformamos a imagem novamente em JPG e com 8-bit, mas aí ela já está com a “aparência” desejada – ou seja, já aproveitamos a profundidade de cor para pegar os detalhes que queremos na foto e podemos transformá-la novamente em 8-bit.

Na prática

Embora existam todos esses detalhes técnicos podemos simplificar a explicação:


Na fotografia HDR juntamos várias fotos com exposições diferentes e assim
temos detalhes tanto na sombra quanto nas luzes – sem precisar editar somente
uma parte da cena. Ou seja, de várias fotos conseguimos fazer uma totalmente
diferente mas com a mesma qualidade. Quando editamos uma foto,
no Photoshop por exemplo, estamos destruindo as informações de cores dela.
Por isso HDR não é feita com uma foto só – pois assim não resultaria em
uma imagem de qualidade.


Exemplos

Na cena que vamos fotografar normalmente existem sombras e luzes.

Situação 1: temos uma cena comum, com um pouco de
sombra e um pouco de luz. Normalmente uma exposição
normal (no “0″) trará um resultado bom
(conseguiremos ver o assunto satisfatoriamente).

Foto com exposição normal

Situação 2: temos cenas de alto contraste. Por exemplo:
quando estamos fotografando contra a luz do sol ou com
um céu bem aberto e claro. Nessas horas temos que decidir
se nosso assunto será o céu (o que fará com que todo o resto
da cena fique subexposta pois teremos que fotografar em -1 ou -2)
ou se será o resto da cena (o que fará com que o céu fique
inevitavelmente claro demais pois teremos que fotografar em +1 ou +2).

situação 2: temos cenas de alto contraste. Por exemplo:
quando estamos fotografando contra a luz do sol ou com
um céu bem aberto e claro. Nessas horas temos que decidir
se nosso assunto será o céu (o que fará com que todo o resto
da cena fique subexposta pois teremos que fotografar em -1 ou -2)
ou se será o resto da cena (o que fará com que o céu fique
inevitavelmente claro demais pois teremos que fotografar em +1 ou +2).

Temos que decidir se queremos ver o céu...

...ou se queremos ver a terra!

Podemos utilizar a fotografia HDR em ambas as situações.
No primeiro exemplo os pequenos detalhes das sombras
e das luzes vão aparecer (normalmente resultando em uma
foto com menor contraste no geral).

Mais detalhes, menos contraste

Na segunda situação poderemos ter os detalhes tanto do
céu quanto do resto da paisagem.


E por que usar essa técnica?

Sabe porque esse tipo de foto é legal? Pois uma boa
HDR faz a cena parecer
real, quase podemos tocar.

Nossos olhos funcionam como uma câmera, mas muito melhor.
Quando olhamos uma paisagem no geral conseguimos ver o
céu e todo o resto da cena. Quando olhamos uma pessoa
conseguimos ver tanto os detalhes de sua pele quanto os
detalhes do local que está atrás dela. As câmeras não têm
essa versatilidade e em uma foto normalmente não conseguimos
reproduzir o que estamos vendo.

É aí que entra a HDR – tentando reproduzir a qualidade dos
nossos olhos que (ainda) não está nas câmeras. =)

Pra utilizar esta técnica se usa diversos recursos em diversos
softwares, porém, pra resumir, posso-lhes dizer que o
Photomatix
é o programinha mais indicado, seja pra ser usado diretamente ou
indiretamente atraves de um plug-in que pode ser instalado nos
melhores editores de imagens, tais como Adobe Photoshop e Aperture (Apple)
.

pra facilitar, e fazer com que vocês não necessitem de sairem
correndo atrás desse tal programa, eu deixarei aqui links para download...


Photomatix Pro 3.2.7
download para Windows
download para Mac OS X

Photomatix Light 1.0
download para Windows
download para Mac OS X

Photomatix Plug-In for Aperture
download

Photomatix Plug-In for Photoshop CS2/CS3/CS4
download para Windows
download para Mac OS X


bom, dicas dadas agora é só sairem fotografando!

 Especial Mac OS X

Olá, a postagem de hoje será dedicada especialmente aos usuários do meu, seu, nosso tão queridinho Mac OS X...

Quem usa sabe, isso aqui não é Ruindows, então, não nos preocupamos com ''paus'', legs, telas azuis e blablabla...
porém, como minha sábia vózinha já dizia, ''quem conserva sempre tem'', se faz justo à frase, não é porque é bom, que devemos abusar, um ajustezinho aqui, uma manutenção ali, não prejudica plataforma alguma! pelo contrário!
então, largando à preguiça de lado, estes dias resolvi reunir algumas manias que tenho, que pelo menos pra mim, ajudam à manter a estabilidade do nosso gatinho funcionando 100%.
quando disse ''largar a preguiça de lado'' foi pra valer, e reuni algumas dicas, então, quem quiser acompanhar, segue a listinha:

1. Repare as permisões do disco.
Vá até Aplicações> Utilidades> Disk Utility. Selecione seu Macintosh HD. e clique em Reparar permisões do disco.

2. Limpar itens de login.
É bom verificar que os programas não desejados não estão começando quando você entra no seu Mac.
Isso pode ser feito a partir de Preferências do Sistema> Contas> Itens de Login.




3. Desocupar aplicações indesejadas.
Vá até a sua pasta de aplicações e veja se você pode poupar algum espaço em disco removendo todos os aplicativos que você não usa mais.


4. Desocupar preferências do sistema.
Verifique nas preferências do seu sistema se existem preferências utilizado guias que podem ser removidos.
Se você encontrar algo que você não utilize você pode desativá-lo no seu menu ou removê-lo de ''~ / Library / PreferencePan
es ''. Você pode ter que reiniciar.



5. Desktop Limpa.
além de aspecto de organização e higiene visual, ter uma desktop limpa pode aumentar a velocidade do seu Mac.
Então, salve o que for util em sua
s pastas e exclua o que for inutil!

6. Empty Trash (esvazie sua lixeira!)
Confira o que está lá dentro, em seguida salve e esvazie.


7. Universal Access and turn off anything you're not using.(se não for usado).
Vá até
preferências de sistema > Acesso Universal e desligar qualquer coisa que você não está usando.

8. Desligue o Bluetooth (se não for usado).
Vá para Preferências do Sistema> Bluetooth.


9. Desligue o reconhecimento de fala (se não for usado)
Vá até
Preferências do Sistema > Reconhecimento de voz.

10. Desligue o compartilhamento de internet (se não for usado).
Vá até
Preferências do Sistema > Compartilhamento> Internet

11. Verifique se há bastante espaço em disco na unidade de arranque.
Seu Mac usa algum do seu espaço de disco rígido como memória virtual quando não há memória suficiente disponível real.
É bom sempre manter 10% do seu disco rígido livre para tal atividade.


12. Remova o Pacote de idiomas do Mac OS X.
seu Mac pode conter centenas de idiomas que utilizam m
uito espaço e provavelmente você não vai usá-los. Monolingual é um programa gratuito que pode remover esses idiomas poupando-lhe algum espaço extra em disco.



13. Remova qualquer Aplicativo para Desktop.
Até recentemente, eu tinha um bom programa que iria colocar uma Mulher nua
diferente a cada mês na minha área de trabalho. Parecia ótimo, mas depois comecei a ver no monitor de atividades que isso ocupava muita memória e processador.

14. Mantenha seu Dock apenas com aplicações desejadas.
Seu Dock deve conter apenas as suas aplicações mais utilizadas.

15. Escolha aplicações adequadas para arquivos.
Seja sensato ao escolher quais aplicações serão abertas por padrão - acha que você realmente precisa de Photoshop para abrir apenas uma imagem? clique o Botão direito sobre um arquivo em seguida, selecione abrir com.


16. Verifique o Software Build.
Se você tiver um Mac Intel busque a construção do softwar
e universal - pode ser que o pedido ainda esteja sendo executado através de Rosetta e atualizações podem estar disponiveis.

17. Remover animação Dock (tá, essa é apelação, mas se você tiver escasso de configuração é uma boa alternativa).
Vá até
Preferências do Sistema > Dock, em seguida, desmarque ''usar animações na abertura de aplicações''



18. Evite desktops animados
Vá até
Preferências do Sistema > Desktop & Proteção de tela, em seguida, desmarque Alterar imagem.

19. Remove unused widgets. (Widgets que não esteja usando).
Cada elemento tem alguma memória e poder de processamento, mesmo quando você não está usando o painel de instrumentos.


20. Verifique o desempenho
para ver quanto poder de processamento e memória de cada elemento usa.
Alguns widgets são mais intensos do que outros, se há um que é particularmente exigente ver se existe uma funcionalidade similar no site da Apple. Para fazer isso funcionar Finder - Aplicações> Utilidades> Activity Monitor.




21. Remover os efeitos de animação.
Os efeitos de animação são os olhos doces que fazem bonito OS X, mas eles não são realmente necessárias, você pode desligá-los no tinkertool

Tinker Tool Finder


22. Desativar sombra Dock.
A partir do painel da ONU Dock-tick sombra Dock Ativar.


23. Desativar Dashboard.
Se você não usar o Dashboard pode desactivá-la no painel
Geral.

24. Passe o checksum ao abrir arquivos DMG. Isto irá acelerar o carregamento de imagens de disco quando abrir. Isto pode ser encontrado no painel Aplicações.

Tinker Tool Applications

25. Reduza o tempo de demora para a exibição de carregamento das páginas no Safari.
Isso deve acelerar a sua experiência de navegação na web, encontrados dentro do painel do Safari.


OynX é semelhante ao TinkerTool porém tem muitas mais opções e preferenciass. você pode já ter feito algumas destas em dicas anteriores.

Onyx

26. Atualize seu Mac.
As atualizações mais recentes, por vezes, aumentam a veloci
dade do sistema, e também corrigi bugs e vulnerabilidades.

27. Verifique Classic não está funcionando.
se não está sendo usado.
Clássico pode ser desativado a partir do Preferência
de Sistema.

Classic

Pessoal, é isso ai, espero que pra quem usa o Mac OS estas dicas funcionem, mas é claro, vale lembrar que estas dicas não são uma regra, pois em vários momentos citei dicas que alteram a qualidade visual do Mac, portanto, pra quem tem uma maior disponibilidade de hardware, nem sempre é bom fazer isso, até porque o Mac OS é a coisa mais linda que Deus pode ter criado... hehe.

fica aqui, uma linda imagem pra vocês:




★ 2020: o que os computadores farão daqui 10 anos?

No início de cada ano, especialistas, entusiastas ou mesmo apenas curiosos criam listas enormes de tudo o que será lançado antes do próximo Réveillon. Mas geralmente essas listas não agregam apenas as tecnologias que realmente serão anunciadas, incluem também algumas previsões que nem sempre são adequadas à realidade. É verdade que o começo do ano já passou, mas o que será colocado neste artigo não são as tecnologias que podem ser lançadas ou que serão lançadas ao público em 2010.

Nunca mais num só lugar
(Computação nas Nuvens)

O que hoje é conhecido por computação pode ser completamente esquecido nos próximos anos, pois a computação nas nuvens ganhará cada vez mais espaço. Esse processo já começa a ser percebido quando são analisados os diversos programas online que, por exemplo, a Google disponibiliza, como Docs (que permite a edição e criação de arquivos), Agenda (uma agenda online), além dos diversos modos de sincronização disponíveis. A sincronização dos softwares não é nada mais do que a colocação das informações pessoais em nuvens para que possam ser recuperadas a qualquer momento. Estima-se que, até 2020, todos os usuários utilizarão a computação nas nuvens para acessar seus softwares e informações em qualquer computador, sem precisar instalar softwares adicionais.

A famosa computação  nas nuvens

Por exemplo, quem possuir documentos sincronizados entre vários computadores poderá utilizar os mesmos softwares e arquivos em casa, no trabalho ou na escola. Sempre que o arquivo for atualizado em uma estação, automaticamente o mesmo acontece nas outras em que ele também esteja. É bem possível que até lá, até mesmo os sistemas operacionais, como o Windows, já estarão sendo disponibilizados em nuvens. Isso representa o fim da necessidade de carregar um arquivo em pendrives ou emails, bastará possui-lo sincronizado e ele poderá ser editado por qualquer usuário autorizado para tal.

Docking Stations

Outra prova de que os computadores estarão cada vez menos fixos é o avanço das docking stations, que já devem ganhar ainda mais parcelas do mercado e consolidarem um segmento bem estruturado nesta década.

Os dispositivos podem ser conectados a notebooks ou desktops e ampliam a capacidade gráfica, aumentam o número de portas USB, o número de saídas de vídeo e muitas outras vantagens que não seriam possíveis sem a utilização desse tipo de tecnologia.

Docking Stations

Fonte da imagem: Toshiba

Computadores cada vez mais portáteis são excelentes para a utilização em ambientes alheios às residências e mesas de trabalho, mas as telas pequenas e as teclas minúsculas acabam minando a melhor utilização possível dos computadores ultraportáteis. Nesse caso a presença de uma docking station torna-se indispensável. Indispensável porque os dispositivos podem facilitar bastante a conexão dos netbooks a monitores, teclados e mouses externos. O usuário ainda estaria utilizando o netbook, ou o notebook, mas apenas a capacidade de processamento do computador, não seus elementos que seriam periféricos, caso fosse um desktop.

A vida em três dimensões
(Monitores 3D)

Quando ocorreu a explosão dos cinemas 3D em 2009, muito começou a ser cogitado acerca da possibilidade de transformar os televisores e monitores de uso em televisores e monitores capazes de transmitir imagens em três dimensões da mesma forma que o cinema projetava para seus espectadores. As respostas não demoraram para começar a surgir nos blogs e sites especializados em tecnologia. Logo foram revelados os requisitos mínimos para que pudessem ser projetadas imagens com profundidade simulando a realidade. Eram elas frequência necessária para gerar as imagens e os óculos juntamente utilizados.

Projeções  tridimensionais

Também não demorou para que fossem anunciadas as primeiras placas de vídeo a suportarem frequências de 120 Hz e que, portanto, permitiam a utilização de monitores mais modernos para a transmissão de imagens tridimensionais. Em 2010 isso já é possível, mas não está difundido devido ao preço. Seguindo a tendência tradicional do mercado, em 10 anos os monitores 3D já deverão estar nas mesas da maioria dos usuários.


Impressão 3D

Hoje já existem algumas impressoras que trabalham com resultados tridimensionais, elaborando moldes detalhados de uma série de produtos e objetos em geral. O problema é que essa impressão demanda cálculos que poucos computadores conseguem realizar em um prazo curto de tempo, logo é pouco aproveitada pelo público em geral.

Impressoras para modelos

Fonte da imagem: Hewlett Packard

Com os constantes avanços nas tecnologias de processamento, em breve deverá haver processadores com ainda mais núcleos do que há hoje no mercado, o que permitirá a modelagem de objetos com detalhes microscópicos e sua posterior impressão com fidelidade a esses detalhes. Em exemplos práticos, em alguns anos será possível localizar imagens da Torre Eiffel, de Paris, elaborar cálculos dos detalhes dimensionais e imprimir uma maquete do ponto turístico francês em três dimensões reais.

Computação verde: a tecnologia a favor da natureza

Há cerca de 10 anos as previsões para o planeta Terra já não eram as melhores. Por exemplo, estimava-se que até 2030 não haveria água potável suficiente para as populações do mundo. Logicamente essa não era a única preocupação das pessoas em relação ao futuro do planeta, mas sempre foi a mais alarmante. Uma sociedade de consumo como a ocidental gasta muito mais recursos do que consegue produzir, o que gera um déficit incrível. Isso sem falar no quanto a produção de bens de consumo causa impactos ao meio-ambiente, com uso de energia e utilização de materiais nocivos à natureza na fabricação de vários produtos, como baterias e eletrônicos.

Essa direção da sociedade ao caos ecológico levou muitas empresas fabricantes de eletrônicos a buscarem novas alternativas para a diminuição dos impactos causados. Monitores com telas LED que gastam menos energia e são produzidos com materiais menos tóxicos, processadores cada vez mais econômicos e melhor direcionamento do lixo eletrônico são apenas algumas das ações que o mundo obrigou-se a seguir. Não há outra saída além de frear o consumo sem medidas. Como a cada dia mais pessoas se conscientizam desse fato, calcula-se que até 2020 haja muito mais usuários adeptos às tecnologias verdes do que hoje. Pode ser um pouco maniqueísta afirmar isso, mas não estão de todo errados quem diz que o consumo de hoje levará ao fim de tudo no amanhã.


Memória e armazenamento

Quem se lembra dos disquetes de 1,44 MB não sente saudades. A transferência dos arquivos era lenta e pouco segura, pois qualquer arranhão no disco de leitura já tornava o disquete inutilizável. Passaram a ser utilizados CDs, DVDs, até que cerca de três anos atrás os pendrives já conseguiam ultrapassar os discos na capacidade de armazenamento. Hoje podem ser encontrados dispositivos móveis para até 64 GB de armazenamento, capacidade que alguns HDs não possuíam há pouco tempo. Se, em tão pouco, os pendrives evoluíram tanto, imagine como serão esses dispositivos daqui a cinco ou dez anos - nesse caso sonhar alto não é delirar.

Pendrives cada vez maiores

Até 2020 devem estar disponíveis, pendrives e cartões de memória que ultrapassem a casa dos terabytes. Isso significa mil vezes a capacidade de um pendrive de 1 GB. Imagine guardar todos os filmes, músicas e arquivos em um só dispositivo móvel para que você possa acessá-los em qualquer computador. Seria o fim da necessidade de carregar DVDs, mais de um pendrive ou enviar arquivos por email. A utilização de gadgets com tamanha capacidade de memória seria até mais viável do que a utilização de documentos sincronizados pela computação nas nuvens.

Transferência de dados

Ainda com relação a dados armazenados é necessário citar os avanços nas tecnologias de transferência de dados. Em 1996 começou a ser popularizado o uso de dispositivos USB, mas naquela época as trocas de dados entre computador e dispositivos eram limitadas às velocidades de 12 Mbps. Em 2000 surgiu a USB 2.0 (mais utilizada até hoje), que permitia trocas de até 480 Mbps, o que facilitou a vida dos usuários de players multimídia e dispositivos de memória flash. No final de 2009 foi finalmente lançada a tecnologia USB 3.0, que permite transferências com velocidades próximas a 4,8 Gbps.

Transferência de dados

Já existem outras tecnologias para transferência de dados. A Sony por exemplo, possui a TransferJet, que faz conexões entre computador e dispositivos sem a necessidade de cabos ou plugs, basta aproximar os aparelhos. A Intel também possui sua carta na manga, trata-se do Light Peak, que utiliza fibra ótica para transferir informações a velocidades que podem chegar a 100 Gbps nos próximos anos.

Considerações finais

Foi mostrada neste artigo uma série de expectativas para o mundo dos computadores e que podem ser concretizadas nos próximos dez anos. Algumas já existem, mas ainda não possuem força para alcançarem fatias significativas do mercado, como os monitores 3D. Outras ainda demorarão para alcançar a população, como as impressoras tridimensionais. O que todos os usuários devem saber é que, independente do quanto a informática evoluir tecnologicamente, o consumo deve ser consciente e os dispositivos que não forem mais utilizados não devem ser descartados em lixo comum, mas direcionados a instituições que reaproveitam todos os materiais e ainda evitam o acúmulo de lixo eletrônico nos lixões.

★ IBM cria chip ultraveloz que utiliza luz para realizar suas transmissões


A empresa de tecnologia divulgou a criação de um componente capaz de alcançar até 40 gigabits por segundo e 20 vezes mais econômicos que os atuais.

Imagine um chip até mil vezes mais rápido do que os atuais e que, ao invés de utilizar sinais elétricos, faz as transmissões por meio de pulsos de luz. Pode parecer coisa de ficção científica, mas esse tipo de tecnologia está a um passo de existir e pode ser a primeira iniciativa para uma nova geração de computadores muito mais rápidos. ientistas da IBM divulgaram a criação do conceito da chamada “célula nanofotônica de avalanche”, um pequeno chip capaz de transferir até 40 gigabits por segundo e com um consumo de energia 20 vezes menor do que os componentes atuais. Com isso, espera-se que a troca de informação entre semicondutores, como acontece com o processador e a memória, seja feita de maneira muito mais rápida e econômica.

Avalanche de luz

Como o próprio nome diz, o funcionamento do novo chip é semelhante a uma avalanche. A partir de um pequeno pulso de luz, alguns elétrons são liberados e liberam outros e assim gradativamente, até que o efeito final seja muito maior do que o sinal original. apesar disso, esse efeito avalanche não é uma novidade na informática, pois outros componentes já o utilizavam, mas em menores proporções. A diferença é que a velocidade é incrivelmente superior à obtida anteriormente.

O grande diferencial está na tecnologia usada para a formação do chip. Ao invés de utilizar fios de cobre, a célula nanofotônica usa circuitos de silício para otimizar a transmissão do sinal ótico. Isso, em conjunto com o germânio ali existente, possibilita que até mesmo os mais fracos pulsos de luz sejam detectados e então amplificados. Por serem feitos de matérias materiais considerados simples (ambos já são utilizados na criação de chips), acredita-se que a produção em larga escala possa ser feita pelos mesmos métodos utilizados atualmente.

Veja o video

Outro motivo que potencializa a transmissão é o espaço da ação. Como tudo acontece a uma escala nanométrica, sua velocidade é surpreendentemente alta. Tudo isso porque a perda durante o processo (os chamados ruídos) é entre 50 e 70% menor.

Mil vezes mais rápido

Para mensurar o desempenho dos cálculos que um computador deve executar, utiliza-se uma unidade medida denominada FLOPS (sigla em inglês para “operações de ponto flutuante por segundo”). Os mais modernos computadores que utilizam chips tradicionais alcançam alguns petaflops (1015 flops). Com o semicondutor baseado em pulsos óticos, os pesquisadores pretendem que a velocidade chegue a uma velocidade mil vezes maior, ou seja, no chamado exaflops (1018 flops). Para uma visualização numérica, apenas um exaflops tem cerca de um milhão de bilhões de flops.

O que se espera do futuro

Ao alcançar essa grande escala, espera-se que uma nova geração de computadores seja capaz de realizar tarefas a uma velocidade muito maior do que acontece hoje em dia. É claro que isso não vai ser feito do dia para a noite, mas o primeiro passo já foi dado. Porém, o que isso significa para o usuário? Se dizer que os novos chips são mil vezes mais velozes é algo muito abstrato ou exagerado, saiba que o computador mais rápido da atualidade chega a 1,75 petaflops, ou seja, 600 vezes menor que um exaflops. Agora imagine isso em comparação a seu PC. Além disso, a estimativa é que a possível nova geração não seja apenas mais rápida, mas também mais econômica. Os chips desenvolvidos pela IBM consomem apenas 1.5 volts, enquanto os atuais gastam aproximadamente 25V.

Porém, por mais positivos que sejam os resultados e estudos, qualquer estimativa em relação ao lançamento do chip ainda é incerta. A divulgação da IBM é apenas sobre o conceito e a viabilidade da criação. É claro que isso significa que o primeiro passo já foi dado e não impede que, dentro de algum tempo, vejamos nossos computadores equipados com essa avalanche de velocidade.

★ existem configurações do Google de que você deve tomar conhecimento

O Google oferece inúmeros serviços para os internautas, mas será que você sabe tudo o que deveria? Conheça agora algumas dicas para configurar melhor os serviços Google.

Orkut, Gmail, Docs, Notas, Android e muito mais! Não importa o quanto utiliza a internet, provavelmente você deve ter pelo menos um dos vários serviços oferecidos pela Google, a maior empresa de internet do mundo. Seja na rede de relacionamento, no email ou no sistema operacional para portáteis, a Google alcançou um grande patamar e atinge a maioria dos usuários de internet no mundo. Vários serviços, várias configurações, que tornam mais simples e segura a utilização dos serviços.

1 – Desabilite a opção de sempre exibir imagens de contatos do Gmail

É padrão o Gmail bloquear imagem de seus contatos até que você habilite a exibição manualmente para cada um. Contudo, o serviço de email da Google continua a exibir imagens quando você recebe mensagens de contatos para quais já havia enviado um email anteriormente. Isso pode ser perigoso em casos como o de mensagens com vários destinatários em que você responde para todos, a mensagem é enviada a todos eles e, caso seja respondida com imagens, elas não serão bloqueadas, mas, sim, exibidas normalmente.

Isso pode ser corrigido: clique em Configurações e na seção Conteúdo externo marque a opção Perguntar antes de exibir conteúdo externo. Feito isso, salve as alterações e sempre que receber mensagem com conteúdo externo ao do email (como imagens), será preciso habilitar manualmente sua exibição.

2 – Desative Buzz, chat e Labs

O Gmail possui um Gtalk embutido que permite a você conversar online com seus contatos. Além disso, desde 9 de fevereiro também é encontrado o Google Buzz, uma espécie de Twitter do Google (leia mais sobre o Google Buzz). Outro canal de novidades do Gmail é o Labs, uma seção onde aparece o que vem de novo no Gmail. Porém ela ainda não está oficialmente integrado ao serviço, permitindo ao usuário selecionar novos recursos para sua conta no email do Google.Se você não quer saber de nada disso, desative ambas as opções: o bate-papo e o Buzz podem ser “desligados” por meio de links no final da página:

Para desativar o Labs, caso ele esteja lhe causando problemas ou lentidão na hora de carregar o Gmail, basta acessar seu email por meio do link abaixo:

https://mail.google.com/mail/?labs=0#

Uma boa dica é deixar o link na barra de favoritos do seu navegador para facilitar o acesso. Colocar um nome como “Gmail Seguro” ou “Gmail sem Labs” ajuda na identificação de que essa é uma versão mais leve do email.

3 – Habilite o filtro SafeSearch do Google

Se você possui crianças em casa, provavelmente fica de olho para livrar seus pequenos de conteúdos impróprios exibidos em pesquisas do Google. Para isso, habilite o filtro SafeSearch e limitar o que será mostrado a cada pesquisa que eles fazem. Isso é feito nas configurações de pesquisa do serviço, clique aqui para ser levado até lá. Na guia Filtro SafeSearch é possível selecionar a opção Usar filtro restrito para que sejam bloqueados textos e imagens explícitas. Contudo, se você não tem crianças e deseja remover todas as restrições de pesquisa, habilite a opção Não filtrar meus resultados de pesquisa. Não se esqueça de salvar as alterações antes de sair da página.

4 – Desative o Histórico de Pesquisa

Você sabia que o Google grava as informações que você pesquisou por meio dele? Pois é. Se você está logado em algum dos seus serviços – seja Gmail, Reader ou Orkut, esse histórico é monitorado por anos e anos. Se você não está logado, provável que o Google reúna as informações baseadas no que você tenha digitado anteriormente. De qualquer maneira, para remover o histórico da web de sua conta Google, basta clicar neste link, ler o aviso e, caso esteja de acordo, habilitar a opção Sim, quero remover permanentemente Histórico da web de minha conta Google, informar sua senha e clicar em Remover Histórico da web.

Se o que você quer é apenas interromper o serviço, mantendo a possibilidade de reativá-lo posteriormente, acesse o www.google.com/history, faça seu login e clique em Pausar na aba à esquerda. Feito isso, o seguinte aviso surge na tela:

5 – Defina sua localização SMS padrão

O Google possui um serviço de ajuda via SMS, o Google SMS. Enviando mensagens de texto para o número 466453 você recebe respostas imediatas com diversas finalidades, o que é uma excelente opção para quem tem celular que não se conecta à internet.

O Google SMS socorre você

Para usar melhor o serviço, configure o seu local padrão no serviço: envie mensagem com o texto set location e também a cidade onde você se encontra. Configurada sua localização, a partir de agora basta enviar mensagens com o texto pizzaria ou pet shop, por exemplo, para receber dicas de locais perto de você diretamente no celular. Consulte o preço deste serviço junto a sua operadora.

6 – Previna o login automático do Android no Gtalk

Se você possui algum dispositivo portátil com o sistema operacional Android, da Google, é bom ficar atento a esta dica. Se você já logou no Google Talk por meio do aparelho, notou que todas as vezes em que se conecta à internet, o Gtalk conecta-se automaticamente. Isso porque o programa é iniciado e se conecta automaticamente, sem que você dê qualquer comando para isso. Para resolver o problema, faça o seguinte: execute o Gtalk, pressione a tecla Menu e depois escolha Configurações. Desative a opção Conectar-se automaticamente, volte ao menu do programa, desconecte-se e pronto, problema solucionado.

7 – Faça backup de seus arquivos do Google Docs

Tudo bem que o Google Docs é uma ótima plataforma para editar, visualizar ou somente guardar documentos. Contudo, um pouco de precaução nunca fez mal a ninguém, portanto, criar cópias de segurança regularmente também pode servir para evitar perdas.

Baixe arquivos do Google Docs em seu PC

Selecione os arquivos que deseja incluir na cópia, clique em Mais ações > Exportar e depois no botão Fazer download. O site Data Liberation (em inglês), um projeto de engenheiros da própria Google, dá uma série de dicas sobre como recuperar dados de todos os aplicativos da empresa.

★ Você sabe o que é o AUXÍLIO RECLUSÃO?

Todo presidiário com filhos tem direito a uma bolsa que, a partir de 1º/1/2010 é de R$798,30 por filho para sustentar a família, já que o coitadinho não pode trabalhar para sustentar os filhos por estar preso. Mais que um salário mínimo que muita gente por aí rala pra conseguir e manter uma família inteira.

Ou seja, (falando agora no popular pra ser entendido)
Bandido com 5 filhos, além de comandar o crime de dentro das prisões, comer e beber nas costas de quem trabalha e/ou paga impostos, ainda tem direito a receber auxílio reclusão de R$3.991,50 da Previdência Social.
Qual pai de família com 5 filhos recebe um salário suado igual ou mesmo um aposentado que trabalhou e contribuiu a vida inteira e ainda tem que se submeter ao fator previdenciário?
Mesmo que seja um auxílio temporário, prisão não é colônia de férias..

Isto é um incentivo a criminalidade nesse pais de merda, formado por corruptos e ladrões.

Não acredita?
Confira no site da Previdência Social.

Portaria nº 48, de 12/2/2009, do INSS
( http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudoDinamico.php?id=22 )


Pergunto-lhes:

1. Vale a pena estudar e ter uma profissão?
2. Trabalhar 30 dias para receber salário mínimo de R$510,00, fazer malabarismo com orçamento pra manter a família?
3. Viver endividado com prestações da TV, do celular ou do carro que você não pode ostentar pra não ser assaltado?
4. Viver recluso atrás das grades de sua casa?
5. Por acaso os filhos do sujeito que foi morto pelo coitadinho que está preso, recebe uma bolsa de R$798,30 para seu sustento?
6. Já viu algum defensor dos direitos humanos defendendo esta bolsa para os filhos das vítimas?
7. Vc acredita nas promessas dos politicos corruptos, ladrões eleitos pela grande massa de ignorantes em nosso pais?
8. Você acredita no discurso da polícia que está se esforçando pra diminuir a criminalidade?

- Copyright © Blog Intelly - Intelly Soluções Inteligentes