Publicado por : Beton domingo, 11 de setembro de 2011

Steve Perlman, criador da OnLive, agora promete revolucionar mais uma vez, com uma rede de comunicações diferente de tudo que conhecemos.

Imagine se cada dispositivo móvel tivesse sua própria rede de banda larga, sem precisar de um cabo. É dessa forma que Steve Perlman – cientista e fundador da OnLive, o sistema de jogos sob demanda – explica sua tecnologia de "entrada distribuída saída distribuída", (no inglês, DIDO), um circuito de comunicações experimental que pode tornar as redes móveis atuais obsoletas. Hoje, se uma rede transmite um sinal com 100 megabits de banda e 100 pessoas estiverem conectadas a ela, a divisão será igualitária. Ou seja, cada pessoa receberá apenas 1 megabit por segundo. Caso mil pessoas estejam conectadas, essa proporção diminui para 100 Kbps por pessoa e assim consecutivamente. Com a tecnologia DIDO, todos receberiam 100 megabits, independente do número de pessoas na rede.

Steve Perlman ao lado da marca de sua maior criação, a OnLive. (Fonte da imagem: OnLiveFans)“Eu sei que isso parece impossível”, disse Perlman em entrevista à Wired, “mas literalmente, se você possui uma célula de 100 Mbps e existem 100 pessoas nela, cada um receberá 100 Mbps. É realmente impressionante; você não interfere na banda dos outros”. Além disso, de forma resumida, a lista de funcionalidades da rede DIDO parece até boa demais para ser verdade:

 • Sua banda ilimitada eliminará “zonas mortas” e quedas de ligações, independente da localização;
• O sinal é capaz de passar através de objetos que normalmente barram os sinais dos celulares (como elevadores) sem perder a intensidade;
• Não necessita de grandes torres de transmissão; basta uma estação de tamanho modesto;
• Os sinais transmitidos pelas antenas podem chegar a um alcance de até 400 kms.

 Naturalmente, esse desenvolvimento não aconteceu do dia para a noite, e os pesquisadores já trabalham nisso a mais de uma década. Só agora que Perlman lançou um documento explicando o funcionamento da tecnologia, que já está patenteada, e suas implementações.

Entendendo a interferência e a nova visão da rede DIDO
Sempre que há uma transmissão de rádio que se sobrepõe a outra, temos interferência. Um exemplo simples é imaginar o que acontece com rádios AM/FM enquanto se está dirigindo. Ao se distanciar de uma central de transmissão de rádio, uma nova pode começar a se sobrepor, o que gera a interferência entre elas. Isso se estende até o ponto em que só a nova estação esteja ao alcance e somente ela passe a ser ouvida. Por isso rádios com mesma frequência ficam longe umas das outras.

Com os celulares, esse problema se torna mais complexo. Devido à quantidade enorme de dados que é transmitida entre as torres e os aparelhos, diversas técnicas de transmissão tiveram que ser implementadas. Contudo, ainda assim é comum termos quedas de ligação e interferências.

Já a rede DIDO não sofre desse problema. Ela funciona de uma forma que lembra mais uma rede Wi-Fi, mas sem as limitações atuais. Hoje, ao estar conectado sozinho a uma rede Wi-Fi, o usuário recebe 100% do sinal e, ao fazer o stream de um vídeo, ele deverá ocorrer sem problemas. Caso um segundo usuário também se conecte à mesma rede e comece a ver um vídeo, a taxa se torna mais difícil de manter, visto que ambos começariam a “brigar” pela banda disponível.

Mas com um "access point" DIDO esse problema não ocorre. Quando o usuário clica em um vídeo, ele não é enviado diretamente ao computador da pessoa, mas sim a uma central DIDO. Essa central é então responsável por interpretar o dado e transformá-lo em sinal de rádio que será então transmitido ao aparelho do usuário.

Caso um segundo usuário entre na rede, a central processa os dois dados requeridos e envia duas formas de onda diferentes simultaneamente a cada aparelho. Dessa forma, cada um recebe o dado como se estive sozinho na rede, sem haver nenhuma interferência. Por enquanto as pesquisas foram feitas com até 10 usuários na mesma rede, com sucesso. Contudo os pesquisadores afirmam que esse número pode ser multiplicado para um total de mais de 10 mil usuários.

Caso o leitor queira saber mais a fundo o funcionamento dessa tecnologia, vale a leitura do documento de divulgação publicado por Steve Perlman neste endereço (em inglês).

E quais as chances de isso sair do papel?
Por enquanto é natural que todos fiquem ligeiramente céticos em relação a essa tecnologia. Principalmente porque se a DIDO der certo, poderiam ser removidas todas as limitações de banda que hoje existem, principalmente nas transmissões para celulares. E isso pode ser um problema, pois diminuiria os ganhos das grandes operadores de celular, que não teriam alternativa, senão oferecer banda larga de qualidade e ilimitada por um baixo custo. Contudo, se isso realmente funcionar, fará uma diferença completa na maneira que lidamos com redes nos dias atuais.

Hoje, a parte de transmissão é ainda um dos maiores problemas e a tecnlogia disso em celulares ainda se move a passos lentos, em relação a evolução dos aparelhos que nela ficam conectados. Além disso, a rede DIDO exigiria uma grande capacidade de processamento pelo lado dos servidores, devido à grande carga de dados que seria transmitida. Entretanto, pelo lado do usuário, os custos seriam pequenos, pois os "access point" não precisariam fazer muito além de receber o sinal e repassar ao aparelho final. Normalmente um estudo desses poderia passar despercebido, pois parece estar muito à frente da realidade. Contudo, Steve Perlman já provou que pode conseguir grandes feitos. Afinal, quem acreditaria que seria possível jogar Crysis 2 em um computador de baixo custo, possuindo apenas uma conexão com a internet? Portanto se Perlman afirma que a rede DIDO é possível, vamos torcer para que ele esteja certo.

Deixe sua opinião!

Assinar FEEDS! | COPIAR - (código)

- Copyright © Blog Intelly - Intelly Soluções Inteligentes